Sem Guerrero, mas com Cueva. O que esperar do Peru na Copa? #2LNaCopa

Nascido em Trujillo, no dia 23 de novembro de 1991, Christian Alberto Cueva Bravo iniciou a carreira muito cedo, ainda com 16 anos no Universidad San Martín do Peru. Com a ausência do atacante Paolo Guerrero, punido pelo TAS (Tribunal Arbitral do Esporte), o meia-atacante-que tem um estilo mais clássico e menos goleador- deve se encarregar do papel de protagonista da seleção peruana na Copa do Mundo na Rússia.

Na equipe de Lima, Cueva fez 20 gols em 130 jogos, além de proporcionar 9 assistências. A temporada 2009-10, apenas a segunda do jogador como profissional, foi onde o atleta obteve os melhores números, fazendo 5 gols e provendo 7 assistências em 40 jogos. Não demorou muito para que o mesmo chamasse a atenção do gigante Alianza Lima, onde obteve maior projecção profissional e com apenas uma temporada de destaque no clube peruano mudou-se para o México, para atuar no Deportivo Toluca. Na Libertadores de 2016, Christian ajudou o clube mexicano a chegar nas oitavas de final da competição, quando a equipe foi eliminada pelo São Paulo. Apesar da eliminação, o meia conseguiu se destacar num grupo que tinha San Lorenzo e Grêmio. O jogador começava ali a chamar a atenção dos clubes brasileiros.

cueva-reforco-spfc-toluca-getty
Cueva pelo Deportivo Toluca em 2016 (Crédito: Getty Images)

Logo após ser convocado para a Copa América Centenário de 2016, Cueva foi anunciado como reforço oficial do São Paulo. E foi na competição continental que o atleta passou a mostrar para os brasileiros que o valor investido valeria a pena, visto que o Peru caiu no mesmo grupo do Brasil e o atleta, juntamente com os peruanos obteve destaque ao eliminar a canarinha.

Na chegada ao tricolor paulista, Cueva estreou na vitória por 2 a 1 contra o Fluminense na 12ª rodada e após 24 jogos, acabou tendo papel de destaque ao fazer 7 gols e prover 3 assistências. Um dos jogos de destaque foi na vitória do tricolor por 4 a 0 sobre o rival Corinthians, pela 34ª rodada, onde o atleta deu 3 assistências e fez 1 gol no jogo. Mesmo irregular nas temporadas seguintes, devido a problemas extra campo, Cueva se manteve como principal referência técnica do clube e a equipe visivelmente sentia sua falta, principalmente em confrontos que necessitavam da criação de um camisa 10, contra equipes mais fechadas.

Sem atuar muito nos últimos jogos pelo tricolor, o destino do atleta pós Mundial da Rússia provavelmente será outro. “A gente quer todo mundo focado no São Paulo, mas parece que ele está com preocupações com a esposa e queremos todo mundo em sintonia”, afirmou o diretor executivo de futebol do São Paulo Raí.

Corinthians v Sao Paulo - Brasileirao Series A 2016
Cueva foi o dono da bola do São Paulo em 2016 (Crédito:Getty Images)

O QUE ESPERAR DE CUEVA E DO PERU?
Cueva estreou pela seleção peruana no dia 1 de junho de 2011, em amistoso contra o Japão que terminou em 0 a 0 e atuou 42 vezes pela equipe rojiblanca. Apesar de se classificar apenas em 5º na classificação geral das Eliminatórias da Copa – América do Sul, o Peru deixou para trás a geração favorita do Chile, que ficará de fora de um Mundial depois de 60 anos. Os peruanos certamente sentirão falta de seu camisa 9 e principal artilheiro de toda história da seleção, Paolo Guerrero. Mas se por um lado o atacante oferecia imposição física e faro de gol na frente, Cueva consegue dosar e controlar o ritmo de uma equipe que sob o comando de Ricardo Gareca, aprendeu a acelerar o jogo quando necessário, mas também se fechar muito bem, vide o empate em 0 a 0 contra a Argentina na Bombonera.

Mas o que esperar de uma seleção que conseguiu no máximo chegar às quartas de final (1970) de um Mundial? Apesar dos jogadores citados, a equipe do Peru se destaca por um conjunto em que todos são voluntariosos e correm coordenadamente, obedecendo a ideia de jogo imposta pelo técnico argentino. No jogo classificatório e derradeiro contra a Nova Zelândia-o da volta, após empate em 0 a 0 pela ida- pela repescagem do Mundial da Rússia, o que se viu foi uma equipe que se impôs em seus domínios e criou inúmeras chances contra um equipe que teve sua retranca ultrapassada logo aos 28 minutos do primeiro tempo por Farfán, após bela jogada pela esquerda de Cueva que assistiu o avançado.

Há quem diga que, Cueva, Guerrero, Farfán e cia formam juntos a melhor geração do Peru. A afirmação é discutível, mas é inegável que a seleção sul-americana não depende apenas de um jogador para ganhar um jogo. Mesmo tendo em Cueva o cérebro atual de sua equipe, o Peru conta com a incisão e velocidade dos atuais atacantes, Farfán e Ruidíaz, além da intensidade e obediência tática dos laterais Trauco e Advíncula, que conseguem ajudar na quebra de uma retranca através do jogo vertical e ainda conseguem ajudar na recomposição do sistema defensivo.

O Peru está no Grupo C da Copa do Mundo e estreia contra a Dinamarca no dia 16 de junho, às 13h. O duelo contra os europeus talvez marque o ponto de partida do possível segundo classificado, já que estão no grupo da França, favorita a primeira colocação e Austrália, que corre por fora. Diante de tudo que já foi dissertado, o que se espera é que o Peru faça duelos equilibrados, ainda que não se classifique para às oitavas da competição. Mas é bom ficar de olho nos comandados de Gareca, pois dependendo do chaveamento, os mesmos têm potencial para repetir o que foi feito em 1970, no México.

noticia-christian-cueva-selecion-peruna-rusia-2018
Crédito: Getty Images

 

 

 

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.