Aguirre valoriza pontos positivos do time, lamenta falta de concentração e afirma: “Temos de olhar para frente”

Foto em destaque: Rubens Chiri/saopaulofc.net

O São Paulo mais uma vez foi derrotado pelo Palmeiras no Allianz Parque, desta vez pelo placar de 3-1. O técnico da equipe tricolor, Diego Aguirre, concedeu entrevista coletiva após a partida e falou sobre a primeira derrota do Soberano no Campeonato Brasileiro, além de comentar as situações de Marcos Guilherme – possível último jogo dele pelo clube -; Hudsonque foi substituído durante o intervalo e também desconversou sobre a “freguesia” tricolor no estádio do rival.

Logo no início, o comandante uruguaio tratou de explicar a situação de Hudson, fazendo questão de fixar que a sua substituição não era algo em seus planos, sendo apenas realizada por conta do desconforto sentido pelo volante.

Hudson fazia um grande jogo e sentimos sua saída. estava com problema na perna e pediu para sair. Sentimos sua falta. Mas não posso falar que foi determinante nem um só motivo. Sentimos sua falta para fazia um grande jogo e fizemos uma troca que não estava na nossa mente, afirmou.

O treinador afirmou que a equipe sentiu dificuldade com a velocidade aplicada pelo jogador alviverde, Keno, além de salientar o grande impacto sentido pelo elenco após o gol de empate, dizendo ser algo que “desorientou” o grupo para o decorrer da partida, mas sem deixar de valorizar a fase vivida pelo São Paulo, ainda que tenha sofrido uma derrota “dolorosa” como disse o próprio.

Tivemos dificuldades com a velocidade do Keno. Fizemos um bom jogo, sentimos o impacto do gol de empate, depois ficamos um pouco desorientados, tomamos um segundo gol com jogador impedido. Mas são coisas que acontecem. Assim como estamos em sequência de vitória, com coisas boas, é um erro normal. Campeonato Brasileiro é muito difícil e pode acontecer. estamos bem, estamos nas primeiras posições, e precisamos nos preparar para o próximo jogo. Não temos tempo para olhar para trás. É uma derrota dolorosa, mas temos de olhar para frente, disse Aguirre.

Ele também comentou sobre o segundo gol do Palmeiras, marcado por Willian em posição irregular, mas sem muito alarde, tratando o ocorrido como algo normal e reiterando a boa fase vivida pelo Soberano e reforçando a necessidade de seguir em frente.

Tomamos o segundo gol com atacante impedido, isso nos tirou a concentração. Não deveria acontecer, mas futebol tem dessas coisas, como fizemos três gols em 15 minutos na quarta. Fazia dois meses que não perdíamos. A fase é boa, lutamos, tentamos, acabamos perdendo e temos de olhar para frente, comentou.

Quando perguntado sobre o tabu que o São Paulo enfrenta por nunca ter vencido no estádio do Palmeiras, ele desconversou e novamente comentou sobre os pontos positivos do time, reafirmando a necessidade de vencer a próxima partida para seguir na parte da alta da tabela. Comentou também já não estar achando o time espetacular por estar em uma fase boa, assim como não acha que está ruim por ter perdido uma única partida, visto que ele enxergou coisas as quais não gostou nas duas situações.

Minha história no São Paulo é recente, não tenho nem o que falar de três, quatro anos atrás, nem tenho informação. Foi uma derrota por circunstâncias, tinhamos jogo controlado e toamos gols. Não tem muito o que dizer. Perdemos, e vínhamos em sequência de vitória. Não podemos deixar de valorizar as coisas boas do time, a entrega dos jogadores, a intenção de jogar e que estamos em posição boa na tabela. Temos de ganhar o próximo jogo e estar onde queremos, lá em cima, nos ocupar do próximo jogo. Obviamente, teve erros que não gostei e vou mostrar para os jogadores. Temos de melhorar, como também quando ganhamos. Não penso que o São Paulo era espetacular em fase de vitórias nem que estamos mal porque perdemos um jogo.

Aguirre também respondeu sobre um possível “time ideal”, afirmando ter escalado o melhor time para o jogo diante do Palmeiras, mas disse que com a quantidade jogos no campeonato, ele não pode falar um time ideal, visto a longa sequência imposta pelo certame brasileiro.

Hoje, coloquei o melhor time para este jogo. Mas tem jogadores que podem jogar um ou outro jogo e não muda muita coisa. Não posso falar muito em time ideal, porque tem sequência de jogos e pensamos em 15, 16, 17, 20 jogadores para jogar a cada três dias, perdendo jogador por cartão, como não teremos Nenê no próximo jogo, nem Marcos Guilherme. temos de resolver rapidamente. Não posso falar de time ideal porque é difícil repetir com tantos jogos, avaliou.

Quanto o assunto Marcos Guilherme, o treinador se mostrou desapontado com relação as dificuldades que foram impostas a diretoria do clube. Porém, disse ser algo do futebol, mesmo sendo um atleta o qual ele considera importante no elenco.

É um jogador importante. Temos falado com a diretoria, mas tem coisas que, às vezes, dificultam. Não é meu desejo nem da diretoria, tem coisas que acontecem. Se ficar, bem. Se tiver que ir embora, pensaremos em outra situação, finalizou.

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.