Análise: mesmo sem Sané, o elenco de Joaquim Löw é um poço de qualidade #2LnaCopa

Foto destacada: Alexander Hassenstein/Bongarts

Na última segunda-feira (4) o prazo para divulgação dos 23 jogadores convocados para a Copa do Mundo da Rússia se expirou. Frente a isso, todas as seleções que ainda não tinham divulgados os nomes o fizeram, como a atual campeã Alemanha, do técnico Joachim Löw. O treinador surpreendeu ao cortar o jovem e talentoso Leroy Sané, do Manchester City. Os outros três cortados foram Bernd Leno, Jonathan Tah e Nils Petersen.

9e9edd03-6509-4034-b58f-4a7064577b36

Eis a partir daqui uma análise dos 23 escolhidos por Löw:

Goleiros: Manuel Neuer (Bayern de Munique), Marc-André ter Stegen (Barcelona) e Kevin Trapp (PSG)

Recuperado da lesão que te tirou dos gramados por um longo período, Neuer garantiu presença, que será justíssima, afinal continua sendo um dos grandes da posição na atualidade e já tem seu nome na história. A qualidade de Manuel é inegável e poderá ajudar em mais um possível título alemão.

O primeiro reserva Ter Stegen, que será uma ótima opção no banco de reservas, tinha grandes esperanças de ser o titular de Löw e mostrou ressentimento pela escolha do comandante. Mesmo tendo feito grande temporada, o arqueiro do Barcelona precisa ser humilde e reconhecer a qualidade do companheiro. Já a escolha de Trapp me surpreendeu, mesmo que alguns afirmem que o jogador do PSG e Leno tenham qualidades semelhantes.

Defensores: Mats Hummels (Bayern de Munique), Jerome Boateng (Bayern de Munique), Joshua Kimmich (Bayern de Munique), Jonas Hector (Colônia), Antonio Rüdiger (Chelsea), Niklas Süle (Bayernde Munique), Marvin Plattenhardt (Hertha Berlin) e Matthias Ginter (Borussia Mönchengladbach)

Defesa das melhores da Copa, formada por Kimmich, Hummels, Boateng e Hector, provavelmente. Além da qualidade dos titulares, no banco boas e competentes opções surgem nos nomes de Ginter, Süle e Rüdiger, principalmente. Sem grandes surpresas.

Meio-campistas: Toni Kroos (Real Madrid), Marco Reus (Borussia Dortmund), Sami Khedira (Juventus), Mesut Ozil (Arsenal), Julian Draxler (Paris Saint-Germain), Ilkay Gundogan (Manchester City), Leon Goretzka (Schalke), Sebastian Rudy (Bayern de Munique) e Julian Brandt (Bayer Leverkusen)

Qualidade. Muita qualidade. Assim como das seleções do Brasil, da Espanha, da França e da Bélgica, o meio-campo alemão é muito qualificado. Com importantes remanescentes da última Copa do Mundo e outros grandes jogadores, o caminho para mais uma conquista parece passar por aqui. Muita possibilidade de variação para um time que deverá começar com o trio formado por Khedira, Kroos e Özil. Nomes como Gundogan, Goretzka e Draxler devem ser importantes na caminhada alemã. Brandt foi preferido a Sané.

Atacantes: Thomas Müller (Bayern de Munique), Mario Gomez (Stuttgart) e Timo Werner (RB Leipzig)

Alguns meias podem ser considerados atacantes, como Marco Reus e Draxler. Löw juntou experiência, juventude e qualidade nesse setor. O treinador preferiu Gomez a Wagner e gerou certa repercussão, apesar dos dois serem de características e capacidades semelhantes. Já a ausência de Sané é bem discutível. Com apenas 22 anos e na sua segunda temporada na Premier League, jogou muito com a camisa do Manchester City e participou de muitos gols da equipe, se tornando peça importante e titular do time. Pode fazer muita falta, já que tem no drible e no um contra um duas das suas melhores virtudes.

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.