Análise: falhas defensivas de uma Espanha irregular contra um Marrocos aguerrido

Nesta segunda-feira (25) a Espanha conseguiu a sua classificação para as oitavas de final da Copa do Mundo 2018 com um empate suado contra Marrocos, conquistado nos acréscimos. Boutaib e En Nesyri marcaram os gols marroquinos em duas falhas defensivas, mas Isco e Aspas descontaram para manter La Roja como líder do grupo.

Susto com empate em seguida

A Espanha começou acelerando mais o jogo do que o normal, com Diego Costa se movimentando bastante, abrindo espaços para Isco e Iniesta entrarem na área. As jogadas pelas pontas eram as principais tentativas para furar o bloqueio marroquino. Bloqueio este não por ser uma retranca, mas por ser uma marcação muito bem feita. O trio ofensivo no meio-campo formado por Amrabat, Belhanda e Ziyech saía em velocidade a cada recuperação de bola.

O jogo ficou quente, com algumas jogadas mais duras, confusões entre os jogadores e, aparentemente, a Espanha sentiu mais o momento. Em uma bobeada de Iniesta com Sergio Ramos no meio de campo, Boutaib recuperou a bola, partiu em velocidade e tocou por baixo de De Gea, abrindo o placar. A intensa marcação do Marrocos dava resultado e gerava o primeiro gol do jogo.

Mas a vantagem não durou muito. Os espanhois voltaram ao comando do jogo, Iniesta tabelou com Diego Costa, invadiu a área pela esquerda e tocou para Isco na pequena área, com tempo de dominar e bater forte no alto, empatando o jogo. Sem diminuir o ritmo, La Roja continou no ataque, principalmente pelo lado esquerdo. Iniesta aparecia muito bem entre-linhas e Diego Costa fundamental fazendo o pivô. O mapa de calor abaixo mostra a movimentação do atacante no primeiro tempo.

heatmap-diego-costa-marrocos-1sthalf
Mapa de atuação de Diego Costa no 1º tempo | Dados: Sofascore.com

A intensidade da Seleção Marroquina diminuiu, muito pelo ótimo trabalho de recuperação da Espanha, pressionando ainda no campo de ataque ao perder a posse de bola, característica fundamental em seu estilo de jogo. Com isso, Iniesta e Isco começaram a se destacar ainda mais, formando as triangulações com Busquets e Diego Costa auxiliando,  agredindo o lado direito da defesa de Marrocos. As melhores chances saíram dos pés do experiente camisa 6.

Empate no fim, VAR e alívio

Marrocos voltou para o segundo tempo buscando mais o ataque, como fez no início do jogo. Amrabat, repetindo os dois primeiros jogos, muito participativo em quase todas as jogadas de ataque. Em uma delas, acertou um belo chute de fora da área no travessão. Na defesa, uma linha de 6 jogadores jogando na entrada da grande área pra dificultar as tabelas e ultrapassagens dos meias espanhois. Restava para a Espanha os cruzamentos e assim quase chegou ao segundo gol, primeiro com Isco, mas Saiss salvou em cima da linha, depois com Piqué, que cabeceou pra fora muito perto da trave direita do goleiro Munir.

A média de posse de bola girava em torno de 70% pra Espanha, mostrando o grande domínio das ações, finalizando também mais que o dobro dos marroquinos. Mas o jogo espanhol claramente não funcionou como na primeira etapa. Fernando Hierro colocou Iago Aspas no lugar de Diego Costa e Asensio substituiu Thiago Alcântara, na tentativa de dar maior movimentação no ataque. Mas a alteração que fez mais efeito foi a de Marrocos, que viu En Nesyri entrar no lugar de Boutaib e marcar de cabeça após cobrança de escanteio – em nova falha do setor defensivo espanhol, que viu o atacante subir livre – tomando de novo a frente no placar.

Mas Aspas não deixaria barato. Em um lance de muita confusão e com o uso do árbitro de vídeo para confirmar posição legal do atacante, a Espanha empatou novamente. Carvajal aproveitou cobrança rápida de escanteio e cruzou na pequena área, o camisa 11 entrou livre, tocou de letra e deixou tudo igual aos 91’. Um empate sofrido, muito disputado, mas que valeu a liderança do grupo, já que Portugal também empatou. Uma partida extremamente agitada, com a Espanha impondo o seu jogo e Marrocos com muita garra conseguindo surpreender.

Por fim, Isco terminou como o melhor em campo, acertando 91% dos passes tentados, dando 6 passes decisivos, criando uma chance clara de gol e completando os 4 dribles que tentou, além do gol, claro. Foi o jogador que mais teve a posse de bola e o segundo que mais tentou passes, atrás apenas de Sergio Ramos. Mais uma vez foi o diferencial de uma equipe que tem falhado defensivamente como não costuma falhar.

isco-heatmap-marrocos
Mapa de atuação de Isco, eleito o melhor jogador em campo | Dados: WhoScored.com

Troca de técnico, fator emocional, o peso de uma Copa do Mundo, muitos são os fatores que podem explicar os desempenhos abaixo do esperado da Seleção Espanhola, mas, independente de qual seja, terá que ser corrigido para se manter viva na competição. Para o Marrocos é o fim da linha, um time muito bem treinado por Hervé Renard, com equilíbrio entre a defesa e o ataque, bons talentos individuais, mas que não conseguiu transformar em gols as muitas oportunidades criadas. Saem tristes, obviamente, mas com a sensação de terem jogado um bom futebol.

Com os primeiros confrontos das oitavas de final já definidos, a Espanha receberá a anfitriã Rússia no domingo (1º), às 11h em Moscou. Uruguai e Portugal fazem o outro duelo, no sábado às 15h em Sochi.

stats-spain-marrocos
Estatísticas gerais | Dados: Flashscore.com
Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.