Análise: Em tarde inspirada, Pipico comanda goleada do Santa Cruz em cima do Confiança

Com dois gols de Pipico, artilheiro do Santa na Série C, o Tricolor sufocou o Confiança e aplicou uma goleada que os levou de volta ao G4, provisoriamente

Pipico marcou duas vezes e agora é o Artilheiro do Santa Cruz na Série C. (FOTO: Divulgação / Santa Cruz Futebol Clube)

Em ‘jogo dos pressionados’ pela zona de classificação, o Santa Cruz não tomou conhecimento do Confiança e passou o carro pra cima dos sergipanos. Com autoridade, goleou a equipe azulina em quatro tentos a zero e voltou a figurar no G4 do Grupo A na Série C, mesmo que provisoriamente. Pipico marcou duas vezes, Jaílson e Arthur Rezende também anotaram um gol para cada e fizeram a festa no Arruda, na tarde deste sábado (28), às 15:30.

O Jogo

Com as duas equipes precisando da vitória, na reta final da primeira fase na Série C, Santa Cruz e Confiança abriram a 16º rodada do Grupo A, nos jogos do sábado. O Tricolor pernambucano precisava de uma vitória para voltar ao G4. O Confiança, de treinador novo, não vencia a 9 jogos e para sonhar com a classificação, só a vitória interessava aos alagoanos.

O Santa Cruz entrou em campo com uma postura bem diferente do jogo anterior, tomando as ações da partida, com boa posse de bola e com jogadas laterais explorando a velocidade dos laterais e deu certo. Com uma forte marcação em Robinho, o atacante não teve uma de suas melhores atuações, entretanto, Maílton, acionado no lugar do titular da posição, Vítor, fez sua melhor partida com a camisa do Santa Cruz se tornando peça fundamental na goleada Coral, onde teve duas assistências (nos gols de Pipico e Jaílson).

Com novidades na equipe titular, Carlinhos Paraíba voltou ao time e foi o grande articulador das jogadas no meio de campo, Mas foi Willian Maranhão quem articulou a jogada do primeiro gol Tricolor. O volante recebeu pelo lado direito e viu Arthur Rezende dentro da grande área, fez o passe e deixou o meio-campista em frente à frente com o goleiro Genivaldo, que não desperdiçou, tocou na saída do goleiro e marcou o primeiro gol da partida. Em rápida resposta, o Confiança chegou ao ataque e após escanteio, Tito chutou e Ricardo Ernesto, que foi o titular no gol Tricolor no jogo de hoje, espalmou. Na sequência, Arthur Rezende fez o corte.Com boas jogadas em velocidade pelos lados de campo, o Santa Cruz envolveu o Confiança e por pouco não ampliou a vantagem com Maílton. Aos 11 minutos, Robinho tabelou com o lateral que avançou pela grande área e bateu cruzado. A bola ainda chegou a tocar na trave antes de sair pela linha de fundo. Em nova descida pelo lado direito, Maílton mandou um bolão para Pipico, que sozinho, desperdiçou outra boa oportunidade de aumentar o placar, dessa vez, de cabeça, mandou pra fora. Após o primeiro gol, a equipe pernambucana apresentou uma pequena baixa ofensiva e o Confiança passou a ter um pouco mais a posse de bola. Ainda assim, Jailson, aos 20 minutos, bateu colocado obrigando Genivaldo a fazer uma linda defesa. Aos 26, Pipico não desperdiçou! Mais uma boa triangulação entre Robinho e Maílton, o jovem lateral acionou Pipico cruzando na cabeça do novo xodó da torcida Coral, que com uma cabeçada fulminante, fez o segundo gol do Santa na partida. Abatido com o saldo negativo no placar, a recuperação alagoana pouco criou e desceu para o vestiário com a derrota parcial.

Santa relaxa, mas em duas boas jogadas, aplica goleada

Com o resultado parcialmente construído, o Tricolor voltou para o segundo tempo bem aquém do que produziu na etapa inicial chegando a ceder campo para os alagoanos, que não conseguiram aproveitar as boas oportunidades criadas pelo seu meio de campo. Em uma boa chegada ao ataque, Ricardo Ernesto operou um milagre e impediu o gol do Azulão. Como no futebol, quem não faz gol, leva, a Cobra Coral esquentou o jogo e em mais uma descida de Maílton, o Santa fez o terceiro gol na partida. A jogada começou no campo de defesa, quando o zagueiro Danny Morais recebeu uma bola recuada de Robinho, enquanto o lateral direito já descia em velocidade enganando a marcação, recebendo um bolão. Maílton cruzou na área, dessa vez, por baixo, procurando Pipico, que não conseguiu dominar a bola, acabou desviando-a para Jaílson – que no primeiro tempo, em jogada parecida, não acertou o chute -, dessa vez, não desperdiçou. Balançou as redes do goleiro Genivaldo marcando o terceiro gol dos Corais para o delírio dos torcedores. No lance seguinte de ataque do Santa, Pipoco avançou em velocidade, tentou entre as pernas de Rodolfo e foi derrubado pelo zagueiro dentro da área. Pênalti para o Santa Cruz! Na cobrança, Pipico bateu alto, no canto direito do goleiro adversário e marcou o segundo dele na partida, o quarto do Santa Cruz no jogo e com 6 gols, ultrapassou o atacante Robinho e é o novo artilheiro tricolor na Série C.

Com o resultado assegurado, o Santa Cruz – a gritos de olé -, conduziu o jogo até o fim com a posse de bola. O jogo percorreu até os 49 minutos e não mudou. Santa Cruz goleou o Confiança por 4 tentos a 0. Com o resultado positivo, o Tricolor voltou ao G4, provisoriamente, com 24 pontos e agora é o 3º colocado. O Confiança é o 7º, com 19 pontos somados.

Comportamento Tático 

No jogo diante do Confiança, era necessário um Santa Cruz diferente do que se era visto nos últimos jogos do Tricolor. O novo comportamento da equipe de Roberto Fernandes foi fundamental para que o Santa Cruz dominasse o Confiança e vencesse como venceu, com autoridade. Para que você entenda que mudança foi essa, continue a leitura.

Mesmo em casa, a equipe de Roberto Fernandes vinha atuando com duas linhas aproximadas de 4 jogadores. A primeira linha defensiva, que continham os defensores Vítor, Danny Morais, Sandoval e Allan Vieira, seguida pela segunda linha com: Robinho, Willian Maranhão, Eduardo, e, alternando, Leandro Costa, Arthur Rezende e Augusto (que também atuou como falso 9) e Pipico isolado na frente. Dessa forma, sem a bola, a equipe Coral deixava o adversário mais à vontade para jogar, tanto fora de casa, quando dentro do Arruda. Dessa forma, o Santa Cruz não conseguiu vencer o Remo e o Globo/RN (ambos no Arruda) e sofreu derrotas para Atlético Acreano e Botafogo/PB (fora de casa).

Com o jeito novo de jogar, o Santa passou a ter o controle do jogo obtendo posse de bola e um maior número de passes corretos. Atacando com Robinho e Maílton pelo lado direito e Carlinhos Paraíba, reversando com Arthur Rezende e Jaílson, pelo lado esquerdo, a equipe pernambucana congestionou a defesa do Confiança encurralando seus defensores. 

O papel de Willian Maranhão é fundamental no sistema de jogo do comandante tricolor. O volante fazia o papel de ‘apoiador’, um pouco à frente, centralizado no meio de campo, dando liberdade aos meio-campistas Arthur Rezende e Paraíba enquanto a equipe atacava, passando a ajudar Jaílson na criação e até dando liberdade para que o meia chegasse como ‘elemento surpresa’ na área adversária. Defendendo-se, Maranhão se postava entre Danny Morais e Sandoval, atuando quase que como um terceiro zagueiro, enquanto que Arthur e Carlinhos voltavam ao seu papel de marcador. Quanto o Tricolor tinha escanteios ao seu favor, William Maranhão era o jogador que ficava postado na defesa para que em um possível contra-ataque adversário, a equipe não fosse supreendida, dando liberdade para os cabeceadores mas altos (Sandoval ou Danny Morais) irem até a área. Postura essa que já é comum na equipe.  

Ao invés de esperar o erro do adversário enquanto possuíam a bola, o Santa passou a propor o jogo, com a bola nos pés, enquanto os alagoanos, que ao sofrerem com as investidas e gols coral, não tiveram poder para reagir, sofrendo a goleada. 

E se o Santa Cruz tivesse jogado assim diante do Remo e do Globo/RN, em casa? Pudesse ser que tivesse vencido as partidas, mesmo sem ter no time Carlinhos Paraíba, que lesionado, só voltou a jogar na rodada passada, contra o Botafogo/PB. Em seu lugar, Giovani ou Jeremias poderiam fazer esse papel, mas por não viverem boa fase, o comandante, talvez, não quis arriscar. 

Comportamento Tático

No jogo diante do Confiança, era necessário um Santa Cruz diferente do que se era visto nos últimos jogos do Tricolor. O novo comportamento da equipe de Roberto Fernandes foi fundamental para que o Santa Cruz dominasse o Confiança e vencesse como venceu, com autoridade. Para que você entenda que mudança foi essa, continue a leitura.

Mesmo em casa, a equipe de Roberto Fernandes vinha atuando com duas linhas aproximadas de 4 jogadores. A primeira linha defensiva, que continham os defensores Vítor, Danny Morais, Sandoval e Allan Vieira, seguida pela segunda linha com: Robinho, Willian Maranhão, Eduardo, e, alternando, Leandro Costa, Arthur Rezende e Augusto (que também atuou como falso 9) e Pipico isolado na frente. Dessa forma, sem a bola, a equipe Coral deixava o adversário mais à vontade para jogar, tanto fora de casa, quando dentro do Arruda. Dessa forma, o Santa Cruz não conseguiu vencer o Remo e o Globo/RN (ambos no Arruda) e sofreu derrotas para Atlético Acreano e Botafogo/PB (fora de casa).

Com o jeito novo de jogar, o Santa passou a ter o controle do jogo obtendo posse de bola e um maior número de passes corretos. Atacando com Robinho e Maílton pelo lado direito e Carlinhos Paraíba, reversando com Arthur Rezende e Jaílson, pelo lado esquerdo, a equipe pernambucana congestionou a defesa do Confiança encurralando seus defensores.

O papel de Willian Maranhão é fundamental no sistema de jogo do comandante tricolor. O volante fazia o papel de ‘apoiador’, um pouco à frente, centralizado no meio de campo, dando liberdade aos meio-campistas Arthur Rezende e Paraíba enquanto a equipe atacava, passando a ajudar Jaílson na criação e até dando liberdade para que o meia chegasse como ‘elemento surpresa’ na área adversária. Defendendo-se, Maranhão se postava entre Danny Morais e Sandoval, atuando quase que como um terceiro zagueiro, enquanto que Arthur e Carlinhos voltavam ao seu papel de marcador. Quanto o Tricolor tinha escanteios ao seu favor, William Maranhão era o jogador que ficava postado na defesa para que em um possível contra-ataque adversário, a equipe não fosse supreendida, dando liberdade para os cabeceadores mas altos (Sandoval ou Danny Morais) irem até a área. Postura essa que já é comum na equipe.

Ao invés de esperar o erro do adversário enquanto possuíam a bola, o Santa passou a propor o jogo, com a bola nos pés, enquanto os alagoanos, que ao sofrerem com as investidas e gols coral, não tiveram poder para reagir, sofrendo a goleada.

E se o Santa Cruz tivesse jogado assim diante do Remo e do Globo/RN, em casa? Pudesse ser que tivesse vencido as partidas, mesmo sem ter no time Carlinhos Paraíba, que lesionado, só voltou a jogar na rodada passada, contra o Botafogo/PB. Em seu lugar, Giovani ou Jeremias poderiam fazer esse papel, mas por não viverem boa fase, o comandante, talvez, não quis arriscar.

Destaques

Maílton foi um dos principais destaques na partida. Substituindo o titular da posição, Vítor, o jovem de 20 anos deu duas assistências e protagonizou boas jogadas de triangulações pelo lado direito, junto com Robinho. Sandoval, até ser substituído, foi o homem da sobra. Cortou tudo que chegou até si e em mais um jogo seguro, o Santa Cruz não sofreu gols junto a boa parceria defensiva com Danny Morais. Ricardo Ernesto, que depois de jogos de altos e baixos, segurou com unhas e dentes o voto de confiança do treinador, que barrou o então titular Tiago Machowski, fez um bom jogo e não deixou passar nada. Seguro, fez uma ótima partida. Pipico, o melhor da partida, mantém a sua ótima média de gols com a camisa coral. Marcou dois e já se tornou o xodó da torcida tricolor.

Pipico marcou 6 gols na Série C. (FOTO: Divulgação / Santa Cruz Futebol Clube)

Próximos Confrontos

O Santa Cruz viaja até Juazeiro/BA e vai encarar a Juazeirense, que empatou com o Salgueiro em 0 a 0 nesta rodada. A equipe baiana é a 8º colocada do Grupo A, com 17 pontos. O jogo será domingo (5), às 19h.

Já o Confiança, vai visitar o líder do Grupo A, Atlético/AC, no Acre. O jogo também será no domingo (5), no mesmo horário que o jogo dos pernambucanos, as 19h.

Escalações

O Santa Cruz entrou em campo com muitas novidades. Uma delas, no gol. Ricardo Ernesto ganhou a vaga de Tiago Machowski, que vinha sendo muito criticado pela torcida. Outra novidade foi a volta ao time titular de Carlinhos Paraíba, que se recuperou de uma lesão e já figurava no banco de reservas. Confira a escalação do Tricolor: Santa Cruz escalado: Ricardo Ernesto; Maílton, Sandoval, Danny Morais, Allan Vieira; Willian Maranhão, Carlinhos Paraíba, Arthur Rezende; Jailson, Robinho e Pipico. Técnico: Roberto Fernandes.Suplentes: Tiago Machowski, Augusto Silva, Genilson, Eduardo Brito, Charles, Eduardo, Jeremias, Geovani, Leandro Costa, Augusto e Jonathan Bryan.Visitante, o Confiança mandou a campo: Genivaldo; Apodi, Vinícius Simon, Rodolfo e Radar; Diogo, Flávio, Lucas Vinícius e Rafael Villa; Tito e Léo Ceará. Técnico: Betinho.Suplentes do Confiança: Jean, Camilo, Jardel, Everton, Gilsinho, Ítalo, Caxito e Frontini.

Arbitragem

A arbitragem da partida ficou aos comandos de Leonardo Sígari Zanon, que muito confuso, chegou até a não utilizar o mesmo critério no primeiro tempo, onde amarelou jogadores corais – Allan Vieira, Arthur Rezende e Pipoco – chegou a não destruir cartões aos atletas do Confiança, em jogadas parecidas com as dos Tricolores. Os auxiliares foram: Luiz Henrique Renesto e Weber Felipe Silva. Todo o trio foi do Paraná.

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.